quarta-feira, 23 de novembro de 2011

FORMAÇÃO I O Santo Natal e São José




“José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, pois o que nela foi gerado vem do Espírito Santo. José, ao despertar do sono, agiu conforme o Anjo do Senhor lhe ordenara e recebeu em casa sua mulher. Mas não a conhecer até o dia em que ela deu a luz um filho. E ele o chamou com o nome de Jesus” (Mt 1,20-25).

Quase todos os cartões de Natal que nós recebemos no tempo do Santo Natal, com certeza, haverá um homem em pé, no fundo da cena, olhando por sobre o ombro de Maria, mostrada em destaque o cuidando do bebê Jesus. Seu nome é José e, após as narrativas do Natal, pouco se ouve falar dele. Se não soubéssemos algo mais, pensaríamos que José era um espectador insignificante ou, na melhor das hipóteses, uma mera necessidade de respaldar a reivindicação de Jesus ao trono de Davi.
Mas, na verdade, o papel desempenhado por José era estrategicamente importante. Se ele tivesse desobedecido ao mandamento do anjo, de receber Maria como sua mulher (Mt 1,20), ele teria, numa perspectiva humana, colocado em risco toda a missão salvadora de Jesus. Receber Maria como sua mulher era uma tarefa arriscada. A percepção pública de que ele era o pai do bebê o colocava em risco uma séria violação da lei judaica e o tornava uma desgraça pública. No entanto, hoje somos todos agradecidos por ele ter se disposto a arriscar sua reputação para participar e ser um facilitador do desdobramento do plano de Deus.
As perspectivas de Maria e José podem nos ajudar a redescobrir o maravilhoso sentido do Santo Natal não apenas como uma época de celebração, mas em todo tempo da nossa vida. É uma dádiva que o nosso amoroso Deus se dispôs a nos conceder para tornar Seus. Para Maria e José, aqueles acontecimentos foram milagrosos e continua sendo em nossos corações para sempre.
José é o modelo de pai que ensina como a mais alta pedagogia do silêncio. Sua educação é forte pelo testemunho e pelo olhar de amor celestial.
José, homem justo (Mt 1,19), ou seja, santo homem de Deus que obedeceu a divina revelação e cooperou com o Senhor Deus no projeto da redenção humana.
José não quis aparecer, a luz é seu filho Jesus. Sua missão foi obedecer, proteger, silenciar para que o Emanuel pudesse estar sempre presente conosco.
Santo Ambrósio dizia: “Se amais São José, imitai-lhe as virtudes”.

O Natal só pode ser uma verdadeira FESTA de amor em família com José e Maria.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
por Pe. Inácio José do Vale, Professor de História da Igreja - Faculdade de Teologia de Volta Redonda


sábado, 12 de novembro de 2011

Porque não adoro Maria?



Vou dizer por que não adoro Maria, a mãe de Jesus; porque ela não é deusa! E…ponto final! Mas vou dizer por que a amo, respeito, louvo e venero. É porque não é todo dia que uma mulher dá à luz um filho como Jesus… Jesus é incomum e sua mãe também é.

E vou dizer por que, além de falar com Jesus, eu também falo com Maria; é que eu creio que Maria não está dormindo o sono da espera pelo último dia da humanidade; ela está no céu, santificada e elevada pelo seu Filho. Falo a cristãos porque ateus não admitem nem Deus nem estes dogmas. Budistas, judeus e muçulmanos também não. Eles têm outros dogmas de fé.

Como creio que o sangue de Jesus tem poder e que Jesus Cristo salva o céu está repleto de santos alguns dos quais nós, católicos, retratamos e lembramos em imagens para não esquecer deles. Como não há humanos perfeitos tiveram seus limites, mas assim mesmo eram crentes e pregadores melhores do que nós.

Se Jesus salva a quem o segue, então é claro que a mãe dele está no céu porque Maria foi quem melhor o seguiu. Raciocinem comigo. Se Jesus ainda não levou nem a mãe dele para o céu, então Mateus exagerou; todo o poder não foi dado a ele… Se até agora ninguém entrou no céu, então a estação de baldeação onde ficam as almas à espera do último dia do planeta deve estar superlotado.

Intercessão


É por crer que o céu está repleto de humanos que Jesus salvou que peço intercessão dos salvos no céu e aceito também a dos que se proclamam salvos já nesta vida porque aceitaram Jesus. Se eles estão salvos a mãe de Jesus esta super-hiper-salva…É a razão pela qual peço a Maria que, lá no céu, ore por mim e comigo. Se padre e pastor podem interceder a Jesus por mim então a mãe de Jesus pode mais. Ela é mais de Jesus que todos nós juntos. Se aceito os intercessores da terra, que diante das câmeras, de manhã e de noite, em emocionados programas de rádio e televisão, dizem de boca cheia que vão orar e oram pelos seus fiéis, então eu posso acreditar nos santos do céu que Jesus já salvou. Entre os salvos escolhi Maria a mãe de Jesus para orar comigo e por mim e pelos que me pedem orações. Eu creio que ela está viva no céu. De Jesus ela foi quem mais entendeu neste mundo, e imagino que continue a ser no céu a que mais sintoniza com Ele.

Como creio que Jesus não era um simples homem e que ele de fato era o Filho eterno que se encarnou não tenho como explicar isso a um judeu, um muçulmano ou um ateu. Mas para cristãos parece-me lógico explicar por que razão não adoro Maria e por que razão eu escolhi a intercessão desta humana acima de qualquer outro cristão.

Não acho que Deus espera pelo toque da última trombeta para levar seus filhos para perto dele. Não esperaremos 10 ou 100 mil anos para entrar no céu. Jesus já disse que iria preparar-nos um lugar e que viria e levaria com ele os que ele resgatou. E penso que Maria foi o primeiro grande fruto da santidade de Jesus: santificou primeiro a mãe dele.

Se eu disser que Jesus foi um simples profeta e que ele não é o Cristo, nem tem poder algum, e que tudo foi empulhação dos primeiros cristãos, então terei que descartar Maria e situá-la no mesmo nível de qualquer mulher mãe. Mas, se eu aceitar que ele é do céu e que houve um tremendo momento da humanidade no qual Deus se manifestou assumindo a natureza humana, então, seja eu católico ortodoxo, ou evangélico, ou pentecostal, terei que louvar e enaltecer a mãe dele. Nunca houve mulher mais privilegiada do que ela. Pagou, com o filho o alto preço da redenção, porque mesmo sendo humana esteve lá de Belém até à cruz assumindo tudo com ele, da mesma forma que hoje nós nos associamos às dores dos outros em nome dele.

Vou dizer outra vez por que não adoro Maria. Eu só adoro a Deus e Maria não foi, não é, nem nunca será deusa. Mas vou dizer outra vez porque a coloco acima de todos os papas, bispos, padres e pastores do mundo. É que nenhum de nós conhece Jesus como Maria conheceu e conhece. A mãe dele foi o primeiro fruto de sua ação no mundo.

Se você me vir falando com Maria, não com a imagem dela, é claro, porque sei a diferença, pode apostar que é porque acredito no poder de Jesus Cristo e na sua promessa e porque também acredito em intercessão. Tenho um trato com o céu. Eu falo direto com o Pai, usando o nome do Filho que aqui se chamou Jesus, ou falo com Jesus que está no seio da Trindade, ou falo com os santos que ele salvou. E entre eles prefiro Maria a quem todos os dias peço que ore comigo e por mim agora e na hora de nossa morte.

Se você é cristão então não terá dificuldade de entender esse assunto de orar uns pelos outros. Se não for e achar essa doutrina estapafúrdia, continue achando. Ateus e outras religiões também têm seus credos estranhos ou estapafúrdios. Em nome do nazismo e do comunismo ou da ditadura do proletariado ou de uma raça, não defenderam no século passado Marx, Lenin, Stalin, Che Guevara e Fidel e, os da direita, Hitler, apesar das mortes que causaram? Cada qual aceita seus dogmas e faz suas faz a suas escolhas. Não mataram em nome de Jesus e de Maomé? Eu proclamo que os que deram a vida e não mataram estão no céu… Meus dogmas aceitos são muito mais suaves.

Escolhi crer que Deus existe e esteve entre nós e ainda se manifesta. Respeito quem não crê em Deus ou crê, mas não crê como eu. Espero o mesmo respeito. Não sou tão tolo quanto pareço, nem os que duvidam são tão espertos e humanitários quanto parecem. Vivemos de apalpar o tempo e a eternidade, sem saber o que fazer com ambos. Então, cada um defina sua vida a partir o que acha que entendeu. E ponto final!


Padre José Fernandes de Oliveira, SCJ
 
 

sábado, 29 de outubro de 2011

ATITUDES CURADORAS




Muitos dos nossos erros são reações ao mal que nos fizeram. A compreensão, corretamente manifestada, é um excelente instrumento de cura e restauração. Sem uma palavra de elogio, ninguém tem forças para mudar um comportamento ou corrigir uma atitude.

Quando um apessoa comete um erro, nada a condena mais do que a sua própria consciência. O mais dificil é se perdoar, aceitar-se e redimensionar sua caminhada. As críticas não ajudarão em nada se não forem precedidas de um elogio sincero, honesto, maduro e equilibrado.

A crítica por si só gera frustração, decepção, desânimo e tristeza. O elogio, quando verdadeiro, injeta o ânimo necessário para que se possa refazer a vida. Isso deveria ser a maior função de uma família e uma comunidade: ressaltar valores. Das críticas e acusações, a sociedade já se encarrega.

Há pessoas especializadas nesse ministério encardido. Mas muitos santos, seguindo a pedagogia de Jesus, especialmente em Seus gestos curadores, aprenderam e praticaram o elogio como arma poderosa de cura e restauração.

A exaltação não pode ser confundida com a bajulação. Elogiar é ressaltar as qualidades individuais e precisa coincidir com aquilo que a pessoa já sabe que tem e que está escondido sob a manta do erro. Não adianta querer inventar uma qualidade para enaltecer alguém. Nesse caso, esse alguém logo se percebe enganado e se fecha ainda mais no erro.

O elogio será uma linda gota de cura interior quando refletir um valor da pessoa e reanimá-la a retomar essa qualidade. O enaltecimento é uma palavra de esperança ativa, concreta, possível e realizável.

Infelizmente, essa é uma prática tão remota em nosso meio que, muitas vezes, temos medo do elogio. Quando alguém nos elogia ou ao nosso trabalho, ficamos com o pé atrás, achando que depois, certamente, virá um pedido de ajuda. Por isso, como atitude curadora, o elogio jamais deverá ser acompanhado de um pedido de favor.



Padre Léo, scj
Padre do Sagrado Coração de Jesus, fundador da Comunidade Bethânia que tem como carisma o trabalho de recuperação de dependentes químicos.

sábado, 8 de outubro de 2011


 


Como você já sabe, o homem foi criado à imagem e semelhança de Deus e, como tal, foi criado para viver a intimidade com Deus, para relacionar-se “pessoalmente” com Deus, para conhecê-lo profundamente, para ser seu amigo (Gn 3,8). Pelo pecado original, que é um não dito à amizade e à submissão a Deus, o homem rompeu com o seu Criador, optando por não viver a comunhão com Ele, por não depender d’Ele, por não tê-lo como o sentido verdadeiro de sua vida. Fechou-se em si mesmo e a seu divino amigo, tornou-se seu inimigo, afastando-se do plano de Deus para a sua vida. Os seus pensamentos já não eram mais os pensamentos de Deus, os seus sentimentos, os seus desejos, deformando assim a imagem e semelhança de Deus e consequentemente perdendo a intimidade com Ele.

Quanto mais você se afasta da presença e da amizade de Deus, mais você se afasta da retidão e da sua vida verdadeira. É a mesma coisa que fosse retirado o ar que você tanto precisa para viver. Nós podemos verificar isso concretamente em nossas vidas: quando nos afastamos de Deus é como se perdêssemos a bússola para nos conduzir estando em alto mar. Quantas vezes erramos, nos sentimos derrotados em nossas opções de vida porque ficamos inteiramente cegos, surdos e conseqüentemente confundidos! A luz que iluminava nossos caminhos se tornou cada vez mais fraca, cada vez mais opaca. Já não sabemos mais quem somos nós e nem qual o nosso projeto de vida. Deus se encontra em um lugar e nos ficamos em outro completamente diferente. É como se não enxergássemos um palmo na frente do nosso nariz. E ficamos convictos de que o que optamos está muito certo, é a melhor coisa para as nossas vidas.

O próprio São Paulo estava convicto que a melhor coisa para a vida dele e de toda a humanidade era o judaísmo. No entanto ele precisou “cair do cavalo” para descobrir que as suas convicções não eram tão certas assim. E ele mesmo diz: “Certamente ouvistes falar de como outrora eu vivia no judaísmo: com que excesso eu perseguia a Igreja de Deus e a assolava; avantajava-me no judaísmo a muitos dos meus companheiros de idade e nação, extremamente zeloso das tradições de meus pais... Mas, quando aprouve àquele que me reservou desde o seio de minha mãe e me chamou pela sua graça para revelar seu Filho em minha pessoa, a fim de que eu o tornasse conhecido entre os gentios, imediatamente, sem consultar a ninguém, sem ir a Jerusalém para ver os que eram apóstolos antes de mim, parti para a Arábia... Damasco... Jerusalém... regiões da Síria e da Cilícia. Eu era ainda pessoalmente desconhecido das comunidades cristãs da Judéia; tinham elas apenas ouvido dizer: ‘Aquele que antes nos perseguia, agora prega a fé que outrora combatia’. E glorificavam a Deus por minha causa” (Gal 1,13-23).

Nós não tínhamos mais como, por nós mesmos, voltar a esta amizade com Deus, para que Ele nos conduzisse, nos alimentasse e nos levasse a viver a vida que nós tínhamos sido criados para viver, que era a vida divina, que era ser a imagem e semelhança de Deus. Porém, através da vinda de Jesus ao mundo, toda inimizade entre o homem e Deus foi destruída (Ef 2,12-18) e por Ele a imagem e semelhança de Deus no homem foi restaurada. Os pensamentos, os sentimentos, os desejos de Deus foram colocados novamente no mais íntimo do seu ser (Ez, 36,27) e agora o homem pode viver a vida de amor com o Deus para o qual foi criado, pode ser íntimo de Deus, pode ter vida interior e divina, pode participar da vida divina.

Foi desterrada toda apatia do seu coração, foi destruída toda indiferença que paralisa a ação divina e afasta as suas graças e feito arder o zelo pela glória de Deus. Pela morte e ressurreição de Jesus, o muro de separação foi destruído e aconteceu a efusão do Espírito Santo no coração de cada homem. Afirma São João que “de sua plenitude todos recebemos graça sobre graça” (Jo 1,16). “Assim como a chuva, em sua estação, desce abundantemente do céu e se acumula entre as cavidades rochosas da montanha até encontrar um caminho para o exterior e poder transformar-se em fonte que jorra dia e noite, no verão e no inverno, assim também o Espírito desceu e se acumulou completamente em Jesus durante a sua vida terrena até encontrar na cruz um caminho, uma ferida e transformar-se para a Igreja em fonte que brota para a vida eterna” (1).

Pelo Espírito Santo que habita no interior do homem através da graça do batismo, o seu coração está habitado por um germe de oração. A oração é fruto de uma graça que é gerada por Deus no homem, por isto o homem não pode criá-la mas seguir seus impulsos e suas inspirações. O homem foi criado para orar, e se, pelo pecado, havia se desviado desta vocação, o Pai, através de seu Filho, pelo poder do Espírito Santo, pelo batismo restituiu-lhe a graça de orar.

O homem é o único ser criado que tem a capacidade de superar as suas limitações, como também o único capaz de auto-transparência, de transcendência e de liberdade, isto é, é o único ser criado aberto, capaz de um encontro pessoal com Deus, de um diálogo com seu Criador.

Diz o Concílio: “Por sua interioridade é superior ao universo inteiro. A essas profundidades (de si mesmo) retorna quando entra em seu coração, onde o aguarda Deus, perscrutador dos corações, e onde ele, pessoalmente, sob o olhar de Deus, decide seu próprio destino” (GS 14). O homem precisa voltar-se para dentro de si mesmo, para o centro do seu ser e descobrir o seu coração de oração. É um movimento de regresso ao centro de si mesmo para encontrar nele Deus presente e operante.

Através da oração, isto é, deste encontro do homem com o seu Deus, deste relacionamento de intimidade com Deus, deste diálogo penetrante e transformador, a imagem de Deus nele vai resplandecendo passo a passo e o homem vai adquirindo a sua verdadeira imagem, a sua verdadeira dignidade O homem vai tornando-se verdadeiramente humano e Deus vai lhe restituindo o sentido real de sua vida e assim vai sendo conduzido para alcançar o seu destino último: a vida eterna com Deus, a vida eterna de felicidade e de realização.

A Oração é para todos

A oração é para todos os homens, mas não é para qualquer um, porque é uma aventura em direção a Deus e esta aventura exige que o homem deixe as suas seguranças, suas opiniões, seus conceitos, seus desejos, sua mentalidade, sua vontade para que possa ser encharcado com o que é de Deus. A oração é uma decisão do homem de levar uma vida fora da mediocridade, por isto ela é para os que amam muito a Deus. “O chamado à oração não é privilégio de ninguém, mas uma necessidade dos que se abrem à graça, à luz do Espírito Santo que, inundando nosso ser, nos faz compreender como devemos assumir uma atitude de discípulo para escutar a voz do Mestre que nos chama ao silêncio do deserto, da noite e da montanha para estarmos a sós com Ele” (2).

Que você possa compreender e levar as pessoas do seu grupo de oração a compreender a riqueza deste “amigo”, o valor desta amizade tão cara com Jesus, seguindo o exemplo de Santa Teresinha “que não se sentia feita para o tempo, mas para a eternidade. Ainda que todas as promessas da terra se transformassem em realidade concreta não a teriam podido satisfazer. Suas ânsias de felicidade eram maiores que todas as coisas colocadas juntas; eram imensas, infinitas. Eis porque a solidão era para ela cheia de solicitações e os acontecimentos, também os menores e, na aparência, os mais insignificantes e banais, conduziam-na, instintivamente, para o íntimo santuário da alma a fim de facilitar a escuta de vozes mais elevadas, mais transparentes, mais dignas de atenção.

Então, as realidades temporais, como que obedecendo aos acenos irresistíveis e misteriosos, desapareciam e todos os sentidos, internos e externos, recolhiam-se silenciosos e, atentos e dóceis, escutavam sons invisíveis, recebiam revelações cheias de felicidade e cálidas de amor. Como eram pálidas e escorregadias as coisas, todas as coisas, diante das realidades sobrenaturais! E como era de compadecer as imoderadas, as contínuas, as excessivas preocupações com tudo aquilo que, fazendo parte do tempo, era naturalmente inconsistente!” (3).

É importante compreender que nós não podemos ter vida verdadeira sem esta amizade e submissão a Deus, pois somente através dela seremos cada vez mais nós mesmos, o que tantas vezes o homem de hoje busca encontrar para assumir. Para isto é necessário este tempo de solidão com Deus para desfrutarmos de sua presença transformadora, escutarmos as suas inspirações e recebermos a força para assumirmos no mundo o que verdadeiramente nós somos e concretizarmos o plano de vida elevada que Deus escolheu para nós em sua misericórdia.

Não confiemos em nossas inspirações humanas, deixemo-nos conduzir inteiramente pelas de Deus para não termos o amargo dissabor trazido pelas motivações, desejos, escolhas, aspirações que não se submetem à sua vontade. Fazer a nossa vontade é nos arriscar a comer um alimento estragado que pode nos levar à morte.
________________________________
1 - Cantalamessa, Raniero. Ungidos pelo Espírito. São Paulo: Ed. Loyola, 1996 p. 20.
2 - Sciadini, Patrício, OCD. À Procura de Deus. São Paulo: Ed. Loyola, 1996, p. 27.
3 – Berardino, Pedro Paulo di. A Solidão em Santa Teresinha do Menino Jesus. Tradução e revisão: Carmelo do Imaculado Coração de Maria e Santa Teresinha. São Paulo: Paulus, 1995, p. 39.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
por Germana Perdigão, Comunidade de Aliança Shalom *
Comunidade Shalom

sábado, 24 de setembro de 2011

Sofrer com diginidade




Nunca saberemos sofrer com a dignidade necessária. Haverá sempre momentos difíceis em que sentiremos o grito da nossa humanidade que se rebela. É nesses momentos que o nosso olhar deve fixar-se em Jesus, modelo e mestre do sofrimento libertador. Os santos, de uma forma ou outra, beberam do cálice do sofrimento e nele encontraram a coragem para não desanimar na vida.
Gostaria de oferecer algumas pistas que são úteis na minha vida quando me deparo com os pequenos sofrimentos. O Senhor me ama a tal ponto que, vendo a minha fragilidade, não me envia dores maiores porque sabe que não seria capaz de sustentá-las sem cair no chão e ficar aí até que um bom cireneu me ajudasse a levantar-me:
1. Quando vejo o sofrimento aproximar-se de mim tomo a atitude que tomaram Jesus e Santa Teresinha. Peço ao Pai que me liberte e, se posso fugir, vou fugindo. Mas sempre acrescento duas pequenas orações que me parecem as mais belas em todos os momentos da vida: "Seja feita a vossa vontade assim no céu como na terra" e "se for possível que se afaste de mim este cálice! Mas que direi, eu vim para fazer a vossa vontade".
2. Tento descobrir qual é a causa do sofrimento. Se for por minha negligência, falta de amor ou imprudência humana, tento me converter. Se vem de Deus e sinto-me totalmente inocente, vejo nisto uma "noite escura, uma purificação" que devo saber acolher com alegria, porque serve para minha santidade. Na escola de São João da Cruz tenho aprendido muito sobre o sofrimento.
"Ó almas desejosas de andar seguras e consoladas nas coisas do espírito! Se soubésseis quanto vos convém padecer sofrendo, para alcançar esta segurança e consolo! E como, sem isto, é impossível chegar ao que a alma deseja, antes, ao contrário, é voltar atrás, jamais buscaríeis consolo de modo algum, nem em Deus, nem nas criaturas. Carregaríeis, de preferência, a cruz, e, nela pregadas, desejaríeis beber fel e vinagre puro e o teríeis por grande ventura, vendo como pela vossa morte ao mundo e a vós mesmas viveríeis para Deus, em deleites espirituais."(São João da Cruz - Ch 2,28).
João da Cruz pediu sofrimento a Deus para que pudesse ser encontrado digno de ser mais amado. Não se pode ser amigo da glória de Cristo e inimigo da cruz de Cristo.
3. Vejo nos sofrimentos uma participação mais direta na paixão do Senhor Jesus. É preciso ver o nosso corpo como um prolongamento do mistério da encarnação e realizar em nossa carne o que falta à paixão do Senhor. O sofrimento como intimidade com a humanidade de Jesus e como solidariedade com milhões de irmãos que a cada dia carregam cruzes pesadas e sofrem o drama da solidão...
4. Procuro não me apavorar diante dos sofrimentos mas saber "esperar" o momento oportuno. A Bíblia nos diz "quem se colocar ao serviço de Deus prepare-se para a prova". É na paciência que tudo se alcança. Devemos conservar no nosso coração a certeza de que Deus nunca nos enviará um sofrimento maior que as nossas possibilidades. Toda cruz é feita sob medida, é pessoal, ninguém pode carregá-la a não ser nós mesmos. Os outros, como bons cireneus, poderão ajudar-nos. Mas a cruz nos pertence e é nela que devemos ser crucificados.A dor, quando é único caminho de fidelidade ao nosso Deus, torna-se amor e martírio, e devemos olhá-la nos olhos, sem medo, porque ela, assumida e amada, é caminho para se entrar no mistério da ressurreição. Não há páscoa sem se passar através da encarnação-paixão-morte. E é só depois da morte que podemos gozar a plenitude do reino, onde o sofrimento, dor, morte, lágrimas, não têm mais cidadania.



- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
por Frei Patrício Sciadini, ocd
Comunidade Católica Shalom

domingo, 18 de setembro de 2011

FORMAÇÃO: Amar além do Agora!





Os que se amam querem-se para além do corpo: são cúmplices de alma. Ele descobre nela o mistério e a importância de ser mulher, porque ela ou é, ou será mãe dos seus filhos. Ela descobre nele o mistério e a importância de ser homem, porque ele será ou é o pai dos seus filhos. O que os move não é apenas o prazer do sexo: é o prazer da pertença, da presença e da continuidade. Também há libido e desejo carnal, mas há um algo mais que transcende ao corpo, à libido e ao desejo.



Para eles as palavras eu te amo, eu te quero, tem outra dimensão. Ela pode contar com ele para o que der e vier, ele conta com ela, sempre, para o que der e vier. Nem um, nem outro acham palavras para descrever o que realmente sentem um pelo outro, mas um sabe o que o outro sente.

Toda essa gama se sentimentos duradouros que incluem confiança, esperança, perdão, admiração, desejo, eles condensam numa palavra: “amor”. Assim se tratam. E quando são religiosos, atribuem a Deus a graça de um haver encontrado o outro. Num mundo de bilhões de pessoas, de repente os dois se acharam e de tal maneira se encaixaram que há séculos pareciam ter sido feitos um para o outro.

Era alguém como ele que ela buscava, alguém como ela que ele buscava. Um dia, em algum lugar, em determinada circunstância, os dois olhares se cruzaram. Não se imaginam separados nunca mais, nem mesmo na eternidade.



É por isso que amar é diferente. Isto que se vê nas capas de revistas de bancas, nos vídeos pornográficos, nos programas ousados de televisão, em novelas, nas praias e nas ruas é desejo oculto ou expresso de acasalamento momentâneo. Amar é outra coisa. Casais que se amam sabem a diferença. Os que descobrem que não se amavam e pessoas que jamais amaram, terão um pouco mais de dificuldade para entender esta relação. Por isso, é preciso ouvir os que amam. São donos de si mesmos, mas sabem que já não se pertencem. Amam-se porque um descobriu parte do mistério do outro! O que falta eles pretendem descobrir durante um longo casamento. O amor quando é amor, trabalha com o mistério do tempo…


Padre José Fernandes de Oliveira, SCJ

sábado, 10 de setembro de 2011

"Irmã Youtube" desperta centenas de vocações pela Internet

  





Um vídeo caseiro no qual uma religiosa dominicana, a Irmã Puri, que recebeu da imprensa espanhola o apelido de "Irmã Youtube", permitiu que milhares de jovens se questionem sobre a vocação à vida religiosa e que 250 mulheres decidam ingressar em um convento.
A história se remonta ao ano 2007, quando o espanhol Antonio González foi visitar sua tia Puri ao mosteiro de Santo Domingo el Real de la Segovia (Espanha). A religiosa, preocupada com a crise de vocações pediu-lhe ajuda e o jovem decidiu gravá-la em vídeo explicando como se apaixonou por Deus e encontrou sua vocação. O vídeo colocado no YouTube.com, já supera as 53 mil visitas.
Antonio é também o criador da Associação Revaloria.org, uma organização sem fins de lucro que há três anos se dedica a criar sites  para difundir os valores cristãos através da rede.
O seu trabalho lhe permite saber que todo mês o buscador Google registra uma média de três mil buscas da frase "ser freira" na internet. "Hoje em dia uma garota que quer ser freira, em vez de fazer o mais normal que seria perguntar a um amigo, ou a uma freira, o que faz é procurar na internet", explica Antonio.
Desde o site www.monjasdominicas.wordpress.com as dominicanas administram um blog mediante o qual transmitem ao mundo o que se vive dentro dos mosteiros. Através desta página, desde o ano de 2010, receberam pedidos de 250 mulheres de todo o mundo para ingressar em um convento.
Irmã Puri – que exerce o cargo de assessora – respondeu aos pedidos e agora estas mulheres se encontram espalhadas por vários institutos religiosos tanto da Espanha como da América Latina.
No site, as religiosas explicam no que consiste o percurso para a consagração, e convidam a passar uma temporada na hospedaria para conhecer mais de perto sua vida. "Se (alguma) quer seguir pode experimentar a vida em comunidade, por que não durante suas férias? Assim se vai crescendo seu desejo de Deus, se esta vida a atrai, pode tratar-se de entrar no monastério".
A primeira etapa dura entre seis e doze meses, chama-se postulado, é a temporada em que a pessoa olha e começa a aprofundar seu desejo. "Quer seguir? Então começa a consagração religiosa. Seguirão etapas de compromisso progressivo - noviciado, profissão temporária - até a profissão solene na qual (a pessoa) entrega a Deus a sua vida, em uma liberdade esplêndida sem saber aonde a conduzirá com amor", explicam.
As religiosas recordam que em cada etapa, as jovens têm a iniciativa e "a comunidade te responde se estiver de acordo, votando. Aqueles anos são uma imersão na vida monástica que permitirá aprofundar sua sede de Deus, descobrir a Ordem e a nossa comunidade".
Antonio também criou um site (em espanhol) de ajuda aos rapazes com inquietações sacerdotais chamado www.sacerdoteyo.org. Nele é possível conhecer diferentes testemunhos que explicam o caminho de vários jovens para sua vocação, além de encontrar assessoramento para contatar com o seminário mais próximo e responder "a essa vocação que sentem em seus corações", conclui.
Assista ao video ( em espanhol)


sábado, 3 de setembro de 2011

Jejum de Daniel









Estamos vivendo um tempo novo em nossas vidas!
Deus nos quer Santos e integros diante DEle e dos irmãos, por isso, essa campanha de oração está sendo proposta a nós!
São 21 dias de oração, renuncia, busca de Deus, interiorização, provação e vitória!
Abaixo segue o audio para os 21 dias dessa campanha, escute, medite, reze comigo...e ao final desses dias receberemos de Deus a vitória!!!!
Peçamos a intercessão de São Miguel Arcanjo, que ele nos ajude nessa peleja, e peçamos o auxílio e Colo de Maria, para que nesses dias nos momentos de aperto encontremos NELa o descanso e o refrigério de DEus, para continuarmos a batalha!!!
Não desista, lute...
 

“Campanha “Daniel” de Jejum e Oração “Naqueles dias eu, Daniel, estava pranteando por três semanas inteiras. Nenhuma coisa desejável come, nem carne nem vinho entraram na minha boca, nem me ungi com ungüento, até que se cumpriram as três semanas completas.” (Dn 10, 2-3)A passagem acima descrita, tirada do livro de Daniel, é o exemplo clássico de um “jejum parcial”, realizado em meio às atividades do dia-a-dia, com o propósito de alcançar de Deus a revelação de sua vontade. Chamamos “jejum parcial” porque não se faz abstinência absoluta de alimentos. Está claro que existe um valor muito grande neste tipo de jejum. Lendo os versículos seguintes deste capítulo de Daniel, verificamos que o culminar deste jejum foi uma tremenda visitação do anjo do Senhor com uma revelação indispensável a respeito das batalhas que se travam nas regiões celestes (versículos 13-22).
Além disso, o próprio Senhor, em sua visita a Daniel, assegura com palavras encorajadoras a eficácia de seu jejum e penitência:
“Não temas, Daniel, porque desde o primeiro dia em que aplicaste teu espírito a compreender, e em que te humilhaste diante de teu Deus, tua oração foi ouvida, e é por isso que Eu vim.” (v. 12). Aleluia! Quando nós somos movidos pela promessa de Deus e numa atitude que o agrada, começamos a transformar esta promessa em realidade no jejum e na oração; no momento em que nosso coração se humilha e busca a face do Senhor,
nossas palavras são ouvidas no céu.
Daniel dedicou três semanas completas (vinte e um dias) ao jejum e à oração. O tempo dedicado ao jejum é reservado para buscar o Senhor, mesmo em meio às atividades cotidianas.
Somos convocados a intensificar nossa comunhão com o Senhor.
Segundo o desejo de Jesus, devemos fazer isto sem ostentação, mas com discrição e buscando agradar somente ao Pai. Outro fator importante em um tempo de jejum é o propósito que nos move a fazê-lo.
Um jejum sem propósito definido é como vagar num túnel escuro, sem se saber de onde vem ou para onde vai.
Olhando as Sagradas Escrituras, encontraremos muitas razões que levaram as pessoas ao jejum. Se vamos jejuar,
teremos que ter objetivos firmes e claros pelos quais lutar:
estar com Deus; receber sua Palavra; interceder; enfrentar satanás e suas tentações.
Como faremos nosso Jejum?
Por três semanas (vinte e um dias), a contar de 3 a 23 de fevereiro, ou outra data escolhida livremente, somos convocados a um jejum parcial.
Será um tempo de maior oração e dedicação ao Senhor.
Durante este tempo, evitaremos alimentos pelos quais buscamos mais saciar nosso gosto do que as necessidades reais do nosso organismo (doces, refrigerante, excesso de frituras ou outros alimentos que constituam hábitos alimentares aos quais estejam apegados).
Aos que tiverem condições, escolher entre duas opções: ou iniciar a alimentação diária só a partir das 12h, ou simplesmente cortar uma das refeições do dia.
Cuidado somente para não “descontar” na próxima refeição para compensar o que foi omitido.
Roteiro para a oração pessoal nos dias de jejum:
1°dia:03/02-Ore o sal. 15 e tome posse da herança que o Senhor reservou para você.
2°dia:04/02-Ore o sal. 19 e levante bandeiras de vitória na sua vida, em nome do Senhor.
3°dia:05/02-Ore o sal. 23 e deixe entrar o Rei da Glória na sua vida e na sua casa.
4°dia:06/02-Ore o sal. 33 e prove como o nosso Deus é bom.
5°dia:07/02-Ore o sal. 56 e mantenha o seu coração firme em meio às dificuldades.
6°dia:08/02-Ore o sal. 31 e receba o maravilhoso perdão que Deus tem para você.
7°dia:09/02-Ore o sal. 85 e creia que o Senhor ouve você nos dias de angústia.
8°dia:10/02-Ore o sal. 102 e bendiga o Senhor que afasta de nós os nossos pecados.
9°dia:11/02-Ore o sal. 26 e vença todo medo com a luz e a salvação que vem do Senhor.
10°dia:12/02-Ore o sal. 29 e exalte o Senhor que livra você de todos os males.
11°dia:13/02-Ore o sal. 114 e declare o seu amor e gratidão ao Senhor.
12°dia:14/02-Ore o sal. 24 e volte seus olhos só para o Senhor seus caminhos.
13°dia:15/02-Ore o sal. 83 e encontre um abrigo seguro junto ao coração de Deus.
14°dia:16/02-Ore o sal. 53 e declare que o Senhor já está vindo em seu auxílio.
15°dia:17/02-Ore o sal. 120 e creia: o seu socorro vem somente do Senhor.
16°dia:18/02-Ore o sal. 148 e louve o nome santo do Senhor com toda a criação.
17°dia:19/02-Ore o sal. 125 e creia na promessa: você colherá frutos de alegria.
18°dia:20/02-Ore o sal. 146 e adore o Senhor que cura o seu coração ferido.
19°dia:21/02-Ore o sal. 137 e cante ao Senhor na presença dos seus anjos.
20°dia: 22/02 – Ore Lc 1.46-55 e engrandeça o Senhor de todo o seu coração.
21°dia :23/02-Ore Ef 1. 3-12 e creia: Você já recebeu todas as graças e Bênçãos do céu
em Jesus. Aleluia!

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

 
 
Décimo Oitavo dia do Jejum de Daniel


Salmos 146

Louvai ao SENHOR. O minha alma, louva ao SENHOR.

Louvarei ao SENHOR durante a minha vida; cantarei louvores ao meu Deus enquanto eu for vivo.

Não confieis em príncipes, nem em filho de homem, em quem não há salvação.

Sai-lhe o espírito, volta para a terra; naquele mesmo dia perecem os seus pensamentos.

Bem-aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio, e cuja esperança está posta no SENHOR seu Deus.

O que fez os céus e a terra, o mar e tudo quanto há neles, e o que guarda a verdade para sempre;

O que faz justiça aos oprimidos, o que dá pão aos famintos. O SENHOR solta os encarcerados.

O SENHOR abre os olhos aos cegos; o SENHOR levanta os abatidos; o SENHOR ama os justos;

O SENHOR guarda os estrangeiros; sustém o órfão e a viúva, mas transtorna o caminho dos ímpios.

O SENHOR reinará eternamente; o teu Deus, ó Sião, de geração em geração. Louvai ao SENHOR.


Hoje durante seu dia procure louvar e agradecer a Deus, por tudo o que Ele tem realizado em sua vida nesses dias de campanha, ou até mesmo, você que parou no meio do caminho, louve a Deus, porque a sua misericórdia nos abraça, nos envolve, Deus não vê nossos tombos e quedas, Ele vê o esforço do nosso coração!

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

JEJUM DE DANIEL - ROTEIRO ESPIRITUAL





 

Décimo Sétimo Dia do Jejum de Daniel
A Alegria do Senhor tem que ser sempre a nossa força, e hoje veremos o quanto somos sustentados por essa alegria, que muitas vezes numa ação sobrenatural nos impulsiona a seguir nossa vida para rumos desconhecidos, dos quais de primeira achamos inoportunos, mas que ao final se revelam de um grande crescimento fisico e espiritual!
Esses caminhos desconhecidos são as sombras que nos cercam, os medos, os traumas, as aflições, e a alegria do Senhor é o Espírito Santo que age em nós, nos levando a enfrentar tudo de frente e a superar até então esses caminhos tortuosos!
Oremos o salmo proposto para hoje!



Você pode neste post acompanhar o audio das orações anterior:15°dia e 16° dia

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

JEJUM DE DANIEL - ROTEIRO ESPIRITUAL




Décimo Sexto dia do Jejum de Daniel!
Hoje louvemos o Senhor por ter nos criado sua imagem e semelhança, louvemos o Senhor por seu amor, pois sua Glória está em todo lugar!
Deus nos convida neste dia a abrir nosso coração para o louvor, para a Ação de Graças!
Sensiveis a esse chamado louvemos a Deus com nossa vida, oderencedo a Ele sacrificios de louvor, ou seja, mesmo quando eu não estiver a fim de louva-lo, eu o louvarei!



Salmos 148

Louvai ao SENHOR. Louvai ao SENHOR desde os céus, louvai-o nas alturas.
Louvai-o, todos os seus anjos; louvai-o, todos os seus exércitos.
Louvai-o, sol e lua; louvai-o, todas as estrelas luzentes.
Louvai-o, céus dos céus, e as águas que estão sobre os céus.
Louvem o nome do SENHOR, pois mandou, e logo foram criados.
E os confirmou eternamente para sempre, e lhes deu um decreto que não ultrapassarão.
Louvai ao SENHOR desde a terra: vós, baleias, e todos os abismos;
Fogo e saraiva, neve e vapores, e vento tempestuoso que executa a sua palavra;
Montes e todos os outeiros, árvores frutíferas e todos os cedros;
As feras e todos os gados, répteis e aves voadoras;
Reis da terra e todos os povos, príncipes e todos os juízes da terra;
Moços e moças, velhos e crianças.
Louvem o nome do SENHOR, pois só o seu nome é exaltado; a sua glória está sobre a terra e o céu.
Ele também exalta o poder do seu povo, o louvor de todos os seus santos, dos filhos de Israel, um povo que lhe é chegado. Louvai ao SENHOR.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

JEJUM DE DANIEL - ROTEIRO ESPIRITUAL





Décimo Quinto dia do Jejum de Daniel!

Hoje Não está disponível o audio da oração desse dia, mas amanhã prometo disponibilizar aqui no blog juntamente com a oração do 16° dia da Campanha!
Mas não ficaremos sem orar!!! Peçamos o Auxilio de Maria Santíssima para conceder a nós as virtudes de adoração e nos encaminhar a um bom momento de oração!
Acompanhe o salmo:


Salmo 120


1Na minha angústia clamei ao Senhor, e ele me ouviu.
2Senhor, livra-me dos lábios mentirosos e da língua enganadora.
3Que te será dado, ou que te será acrescentado, língua enganadora?
4Flechas agudas do valente, com brasas vivas de zimbro!
5Ai de mim, que peregrino em Meseque, e habito entre as tendas de Quedar!
6Há muito que eu habito com aqueles que odeiam a paz.
7Eu sou pela paz; mas quando falo, eles são pela guerra.

Oremos: Senhor neste dia em que nos colocamos em sua presença, pedimos que nos encaminhe no caminho certo e libertador, que nossas atitudes correspondam hoje e sempre com o chamado que o Senhor nos fez: a viver a justiça e a paz!
Escuta-me em minhas angústias, livra-me da língua enganadora, Senhor abençoa mais este dia de oração, dia de campanha, abençoe nossa casa, família, empreendimentos e tudo o que nossas mãos tocar... em nossas angústias escuta-nos, livra-nos, liberta-nos!!!
Agradecemos seu amor e misericórdia! Obrigado Senhor pelas graças recebidas hoje!!! Deus seja louvado!!!

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

JEJUM DE DANIEL - ROTEIRO ESPIRITUAL




Décimo quarto dia do Jejum de Daniel!
Antes de Dizer qualquer coisa quero agradecer pela visita em nosso BLOG de nossos irmãos dos Estados Unidos, sempre participantes!!! Deus abençõe vocês!!! Minahs orações a vocês!
Bom, deixemos ser amados por Deus, deixemos que ele nos toque com suas mãos, somos barros em suas mãos de Oleiro, ele quer nos formar de acordo com o seu desejo e vontade! 
Oremos o salmo proposto para hoje!

Até amanha em mais um minuto de oração!
Deus abençõe você!

JEJUM DE DANIEL - ROTEIRO ESPIRITUAL



Décimo Terceiro dia  do Jejum de Daniel
Vamos nos colocar hoje a disposição do amor de Deus, deixar que esse amor flue em nosso ser!
Oremos o salmo, a proposta do roteiro espiritual para esse dia!

sexta-feira, 29 de julho de 2011

JEJUM DE DANIEL - ROTEIRO ESPIRITUAL



 Décimo Segundo Dia da Campanha
Como estamos??? Animados???
Espero que sim, hoje o salmo é a mais linda e pura oração, que move o coração de Deus, sugiro que neste momento de oração quebrante seu coração e deixa-se moldar pelo Espírito Santo.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

JEJUM DE DANIEL - ROTEIRO ESPIRITUAL





DÉCIMO PRIMEIRO DIA DO JEJUM DE DANIEL
Exalte o amor de Deus por você, neste dia louve as maravilhas que Deus realiza em sua vida, através do amor incondicional, do amor agape!
Neste audio você irá junto comigo, bendizer e louvar o nome de Jesus!

JEJUM DE DANIEL - ROTEIRO ESPIRITUAL






Décimo dia do Jejum de Daniel!
Hoje começamos a refletir sobre a poderosa mão de Deus sobre nós e como o seu amor agem em nós!
Por isso fortifiquemo-nos na oração e atividades de misericórdia..
Deus está conosco, ele permanece kunto de nós, quando clamamos ele nos responde, Ele nos livrou da cova, eramos como mortos mas seu amor nos levantou!
Oremos o salmo proposto para esse dia!


quarta-feira, 27 de julho de 2011






Nono dia do Jejum de Daniel
é explicito o amor de Jesus por nós, é notável como Deus age em nossa vida!!
Creio que não está sendo fácil passar por essa campanha, acredito que nem todos estão conseguindo cumpir seu propóisito dse jejum, de vida de oração, ou o roteiro que está sendo proposto! Mas também acredito que nunca é tarde pra voltar ao caminho, nunca é tarde pra recomeçar, estamos celebrando as misericórdias do Senhor, estamos vendo como nosso coração arde diante da Palavra motivadora de Deus!
Não desista por causa das quedas, mas prossiga porque a vitória já está garantida, levante-se, recomeçe, supere! Deus te chama a viver uma vida nova!



Capela de Oração
Clique e faça seu pedido de oração

terça-feira, 26 de julho de 2011

JEJUM DE DANIEL - ROTEIRO ESPIRITUAL






Oitavo dia do Jejum de Daniel
Vamos juntos louvar a Deus por sua misericórdia!!!
Que nossa Alma bendiga o Senhor, e tudo o que há em nós proclame o nome de Deus Altíssimo!
Neste oitavo dia de Campanha que Deus nos fortaleça no seu amor a cumprir nosso propósito!
Vamos junto....em oração




Capela de Oração
Clique e faça seu pedido de oração

Qual é a hora?